[Resultado - Top comentarista]

Olá, leitores.

Demorei, mas finalmente estou com os resultados do top comentarista de JULHO e AGOSTO. Preparados?

Em julho o prêmio era EU E VOCÊ NO FIM DO MUNDO:





A postagem escolhida foi:





O comentário sorteado: 








E quem levou o prêmio foi:






Em agosto o prêmio era BONECO DE PANO:









A postagem sorteada foi: 



O comentário: 








E a sorteada:


Parabéns, meninas. Logo entro em contato para solicitar os dados e envio. 


Resenha: Os paradigmas de Amy - Alexia Road

Editora: Pandorga
Ano: 2017
Páginas: 98

Uma mulher dentre milhares.
Uma mulher que não foi a primeira e nem será a última.
Uma mulher que faz parte de uma porcentagem assustadora.

Amy Bennett vive em uma cidade parada no tempo, onde os homens são postos em um pedestal. Aos 18 anos, ela se casou com o herdeiro mais poderoso da cidade, Mark. E, com essa convivência, ela descobriu o melhor e o pior lado do amor.
Amy está condenada a momentos de dor, sofrimento e angústia. E é obrigada a mostrar para a sociedade que tudo está perfeito, quando, na verdade, seu maior desejo há anos é ser livre.
Ela não tem para onde correr, o que fazer e mal sabe o que sentir.
Essa história nada mais é do que sobre uma mulher e o quanto ela se descobriu ao perceber a força que tinha guardada dentro de si mesma.


Classificação:      


"Nunca pensei que isso pudesse acontecer comigo. Nunca pensei que poderia ser feliz e livre. E isso foi uma escolha minha." Página 54


Os paradigmas de Amy, escrito por Alexia Road e publicado em 2017 pela Editora Pandorga é um livro breve e atemporal, mas com uma mensagem extremamente importante para os leitores.  A protagonista Amy Bennett se viu obrigada a casar com seu namorado de escola por causa da crise que sua família estava passando, com a ajuda de seu sogro a família de Amy se reergueu e agora seu pai faz com que ela continue com o casamento, mesmo que isso custe sua felicidade.

Aos dezenove anos Amy estava grávida e Mark, seu marido, está cada vez mais distante, não a respeita e muito menos sua gravidez. Quando Thomas nasce as agressões e o abuso pioram, porém ela se vê presa ao casamento porque agora têm uma criança para cuidar. Thomas é um garotinho inteligente e radiante e, sem perceber, acaba mudando a vida da mãe completamente ao sofrer um pequeno acidente, ao ser levado ao hospital é atendido por Matthew, um médico atencioso e que se encanta por Amy e seu filho. Aos poucos o relacionamento deles se estreita, mas tudo pode ir por água abaixo caso Mark descubra, mesmo que não aja nada para descobrir além de uma amizade.

Este foi um dos livros que me chamou atenção no catálogo da Pandorga e logo solicitei para avaliação e sem dúvidas foi uma bela surpresa. A forma com que a autora trata de assuntos complicados como violência doméstica e abusos, fez com que a leitura fosse complexa, mas não algo ruim de se ler. É interessante ver como Amy tirava forças para continuar por causa de seu filho e como aos poucos superou os anos que passou à mercê do marido foi o que mais me encantou durante a leitura. A capa é bonita e mostra a protagonista, bem como imaginei durante a leitura, a diagramação do livro é bem simples, mas cumpre bem seu papel e a revisão está ótima, tornando a leitura ainda melhor. Este é um livro indicado para os leitores que gostam de dramas familiares, com protagonistas fortes e muito sofrimento, mas que sempre há algo para se tirar da história e, é claro, muita superação. 


"A felicidade é para aqueles que a querem, os que têm força de vontade suficiente para conseguir. Os que seguem o coração e sabem a hora de quebrar os próprios paradigmas. Aqueles que fazem acontecer. E nós fizemos." Página 92


Lançamentos da Intrínseca

Olá, leitores.

Confiram os lançamentos da Intrínseca para o mês de Setembro, confesso que já coloquei alguns em minha lista de próximas leituras. E vocês?






Durante as mais de duas décadas em que atuou no FBI, o agente especial John Douglas tornou-se uma figura lendária. Em uma época em que a expressão “serial killer” nem existia, ele foi um oficial exemplar na aplicação da lei e na perseguição aos mais conhecidos e sádicos homicidas de nosso tempo. Douglas confrontou, entrevistou e estudou dezenas de serial killers e assassinos, incluindo Charles Manson, Ted Bundy e Ed Gein. Com a força de um thriller, ainda que terrivelmente verdadeiro, o livro é um fascinante relato da vida de um agente especial do FBI e da mente dos mais perturbados assassinos em série que ele perseguiu. A história de Douglas serviu de inspiração para a série homônima da Netflix, que conta com a direção de David Fincher (Garota Exemplar e Clube da Luta) e Jonathan Groff, Holt McCallany e Anna Torv.







Para todos os garotos que já amei, P.S.: Ainda amo você e Agora e para sempre, Lara Jean são os três volumes de uma trilogia apaixonante que acompanha os altos e baixos da vida de Lara Jean Song, uma menina descendente de coreanos que guarda suas cartas de amor em uma caixa de chapéu que ganhou da mãe.






Nestas dez histórias tão divertidas quanto horripilantes, tão criativas quanto nojentas, David Walliams faz os pequenos leitores morrerem de rir com os pirralhos mais malcriados, mais bagunceiros e mais adoráveis do mundo. 







Ele arruinou a carreira de gênios promissores. Mandou pelos ares grandes fortunas e destruiu empresas. Tornou as adversidades insuportáveis e transformou esforço em vergonha. Seu nome? Ego. Em O ego é seu inimigo, Ryan Holiday apresenta exemplos reais e inspiradores de pessoas comuns que dominaram o ego, chegaram aos mais altos níveis de poder e sucesso e se tornaram lendas — não pela fama, mas pelo trabalho e legado. 








A única coisa que Joe Talbert deseja é terminar o trabalho da faculdade: entrevistar um estranho e escrever uma breve biografia. Com os prazos se aproximando, o garoto decide ir a um asilo para encontrar o tão desejado objeto de trabalho. Lá ele conhece Carl Iverson e logo a vida de Joe vai ter mudado para sempre.





Uma história que atravessa décadas e gerações para mostrar que nunca é tarde demais para nos descobrirmos e corrermos atrás dos nossos sonhos. Repleto de encontros emocionantes e segredos revelados, A casa das marés é uma leitura deliciosa e romântica que explora as dinâmicas familiares, antigos amores e traições.




Cartas, bilhetes, entrevistas, ensaios e trechos não publicados compõem um autorretrato vibrante e íntimo de uma escritora que personifica a paixão pela literatura. Em páginas reveladoras, Frantumaglia traça, de maneira inédita, os vívidos caminhos percorridos por Elena Ferrante na construção de sua força narrativa. 





Proeminentes acadêmicos propõem um contundente tratado em defesa da real democratização da Europa. Uma obra que extrapola o projeto europeu e apresenta, de modo promissor, uma nova direção para as políticas democráticas mundiais. 

Resenha: Piano Vermelho - Josh Malerman

Editora: Intrínseca
Ano: 2017
Páginas: 320

Ex-ícones da cena musical de Detroit, os Danes estão mergulhados no ostracismo. Sem emplacar nenhum novo hit, eles trabalham trancados em estúdio produzindo outras bandas, enchendo a cara e se dedicando com reverência à criação — ou, no caso, à ausência dela. Uma rotina interrompida pela visita de um funcionário misterioso do governo dos Estados Unidos, com um convite mais misterioso ainda: uma viagem a um deserto na África para investigar a origem de um som desconhecido que carrega em suas ondas um enorme poder de destruição.
Liderados pelo pianista Philip Tonka, os Danes se juntam a um pelotão insólito em uma jornada pelas entranhas mortais do deserto. A viagem, assustadora e cheia de enigmas, leva Tonka para o centro de uma intrincada conspiração.

Seis meses depois, em um hospital, a enfermeira Ellen cuida de um paciente que se recupera de um acidente quase fatal. Sobreviver depois de tantas lesões parecia impossível, mas o homem resistiu. As circunstâncias do ocorrido ainda não foram esclarecidas e organismo dele está se curando em uma velocidade inexplicável. O paciente é Philip Tonka, e os meses que o separam do deserto e tudo o que lá aconteceu de nada serviram para dissipar seu medo e sua agonia. Onde foram parar seus companheiros? O que é verdade e o que é mentira? Ele precisa escapar para descobrir.

Com uma narrativa tensa e surpreendente, Josh Malerman combina em Piano Vermelho o comum e o inusitado numa escalada de acontecimentos que se desdobra nas mais improváveis direções sem jamais deixar de proporcionar aquilo pelo qual o leitor mais espera: o medo.


Classificação:      



"Hoje, Philip consegue se movimentar um pouco mais do que ontem, mas a evolução é assustadoramente limitada. Ele se lembra de tudo: dos Danes. Da África. Do deserto. Do som. Mas por enquanto essas lembranças precisam esperar. O estado atual de seu corpo é tudo o que importa." Página 22



A Intrínseca tem investindo pesado nos lançamentos de thrillers e confesso que estou amando, pois sou viciada neste gênero de leitura. Os parceiros receberam um kit bem interessante de Piano Vermelho e, à princípio, não entendi o porquê dos itens enviados, porém finalizando a leitura percebi que - é claro - faziam todo sentido. Esse é um livro de ação que amei ter recebido porque já havia gostado de Caixa de Pássaros e essa foi uma leitura viciante e bastante intrigante.

O livro começa nos apresentando seis meses depois da grande viagem de Phillip Tonka, que por convite do exército - que fazia parte como músico juntamente com seus colegas dos Danes, faz uma descoberta que interessa bastante ao governo dos Estados Unidos. Um som está desarmando as tropas que são enviadas até o local para averiguar e os soldados que voltam estão bastante desorientados. Os músicos que fazem parte de uma banda já esquecida de Detroit, são as últimas esperanças para que o governo descubra o quê está causando esse alarde nas tropas, porém como nos é apresentado logo no primeiro capítulo o único músico que retorna é Phillip Tonka e ele está com todos os ossos do corpo quebrados, impossível? Sim, mas ele está vivo e está aos cuidados de Ellen, uma enfermeira que aos poucos percebe que há algo estranho na recuperação milagrosa de Phillip. Em seis meses ele acorda e pouco depois pode conversar e fazer coisas que seriam impossíveis para qualquer pessoa em seu estado.

O único problema é que ele não quer apresentar aos superiores o quê viu no deserto e como aconteceu seu acidente, porém eles têm outros planos para o músico. Ellen é a única que se preocupa verdadeiramente com a saúde de Phillip, já ele está ansioso pelo retorno dos amigos dos Danes, aos poucos os militares começam a executar os planos que têm para o músico e isso poderá ser um problema para todos, afinal, o quê Phillip viu no deserto? E seus amigos? E Ellen fará alguma coisa para impedir que a história se repita e desta vez Phillip não retorne com vida? 


"Tudo se resume a uma única palavra, não é, Ross?, pensa ele. Uma única palavra que impulsiona você e seus companheiros de banda, seus melhores amigos. Uma palavra que levou vocês ao Exército, colocou vocês em uma banda e os meteu em apuros três ou quatro vezes por semana. Uma palavra que vale  mais de cem mil dólares para cada um. 
- Aventura - diz a mãe, balançando a cabeça. - Você e esse maldito vício em aventura." Página 54



Piano Vermelho é um thriller intrigante e de leitura rápida, os capítulos são bem divididos e apresentam ao leitor vislumbres da ida dos Danes ao deserto na África e como Phillip Tonka lida com o trauma meses depois. A cada início de capítulo existe uma página preta (e que ornou com o livro em geral, capa e a divisão de partes) dando um charme a parte. A capa é chamativa e o tom de vermelho é bastante visível, assim como no brinde que foi enviado pela editora aos parceiros. Com relação à edição só tenho elogios, o livro ficou muito bonito visualmente, além da diagramação e revisão estarem ótimas, tornando a leitura ainda mais prazerosa. 

O único ponto que diminuiu a minha avaliação da obra foi a finalização da história, pois o livro seguiu um ritmo intenso de descobertas, sustos e suspense, porém o desfecho ficou incompleto - tentei pensar e amadurecer o final, mas não consegui - e amigos leitores que conseguiram, por favor me deem uma luz. Não vou me prolongar analisando esse ponto porque corro o risco de dar spoilers, mas gostei bastante das obras de Josh Malerman e sem dúvida os dois thrillers que já tive a oportunidade de ler, me conquistaram. 



"Sim, pensa Philip enquanto o avião baixa, a areia sobe para encontrá-los e as ondas rolam como uma terra instável, uma bebida de cem mil dólares cairia bem agora, até porque isso significaria que ele estaria em casa, no lugar ao qual pertence." Página 104



[Top Comentarista - Setembro]


Olá, leitores.

Em setembro o prêmio será um dos lançamentos do mês da INTRÍNSECA, para concorrer basta deixar um comentário nessa postagem e comentar nas postagens do blog. O sorteio será como o que foi realizado anteriormente, não será necessário comentar em todas as postagens, mas a cada comentário é uma chance a mais de ganhar.



Fique atento às regras:


  • Deixar um comentário nesta postagem com seu nome completo e e-mail para contato.
  • As postagens de promoções não serão válidas para o Top Comentarista.
  • Será contabilizado apenas um comentário por postagem.
  • O ganhador deverá ter endereço de entrega no Brasil.
  • A promoção é válida de 01/09/2017 a 30/09/2017 e os comentários deverão ser feitos até a data estipulada para o último dia da promoção e apenas em postagens publicadas entre estas datas. Lembrem-se de comentar algo RELEVANTE e que mostre que você leu a postagem.
  • O vencedor deverá responder o e-mail enviado pelo blog em até 4 dias. Caso não o faça, o sorteio será refeito. 
  • O prêmio será enviado pela editora Intrínseca em até 45 dias contados a partir da resposta do vencedor. Em caso de atrasos o vencedor será informado.